Segredo revelado…ou quase

Garanto que você já cantou:

“Dois hambúrgueres, alface, queijo, molho especial, cebola e picles num pão com gergelim”.

Era com essa música simples e idiota que o McDonalds, lá no início dos anos 80, fazia a lavagem cerebral – e depois estomacal – nas crianças que se tornaram os adolescentes e adultos de hoje.

O sanduíche mais vendido do mundo mudou hábitos alimentares, virou padrão de medida econômica e detonou várias tradições culinárias como, por exemplo, o bom e velho cachorro quente.

Mas você já experimentou abrir um Big Mac antes da primeira mordida? Claro que deu pra reparar que a carne é ressecada e meio torta, a alface tem a aparência de um papel crepom verde-esbranquiçado, o pão…vá lá, é fofinho e até gostoso, do queijo não tenho do que reclamar. O que sobra? Hein? Lembrou?

Sobrou o tal “molho especial”. Na minha terra quando dizem que algo é “especial” (gesto dos dedos fazendo “aspas” no ar) é porque o troço tem algo que merece permanecer escondido. Não, fica tranqüilo. Pode ir lá pedir o seu n.01 sem medo de estar comendo algo que leve algum ingrediente manipulado em laboratório. O molho é amarelado, escorre por todos os cantos da sua boca e mãos, mas é gostoso.

O site Top secret recipes acha que desvendou o tal “especial” do molho especial. A diversão dos caras é tentar reproduzir numa cozinha amadora todas as grandes receitas que adoramos e nunca soubemos dizer o que tem nelas que é tão bom. Lá você encontra as receitas da cebolão do Outback, das almôndegas do Subway e como fazer um frapuccino igualzinho ao do Starbucks.

Anúncios